Mate na paulicéia


Mas, ah!

Estadão traz hoje um especial sobre chimarrão no caderno Paladar.

Tem de tudo, até receita de farofa e sorvete com chimarrão, feitas pela chef Carla Pernambuco, que, apesar do nome, é gaúcha!

Segue abaixo uma das matérias e aqui o link para todas.

Esse post é especial para meu amigo Mauro Sergio, que me perguntava dias atrás como se fazia o chimarrão. Bah, e é claro que o escrevo sorvendo um bom de um mate vindo lá dos pagos do Mercado Público de Porto Alegre!

6242006ok.jpg

Tradição. Mate bom, é mate puro, sem adição de açúcar ou leite. Foto: Alex Silva/AE

Puxe o banco e sente, enquanto a chaleira chia e o Paladar ceva o amargo do chimarrão para você. E, já que adaptamos o verso de Cevando o Amargo, do gaúcho Lupicínio Rodrigues, acrescentamos uma outra recomendação: faça-o numa roda de amigos, porque tomar chimarrão é amistoso, agregador, embora se possa, é claro, saboreá-lo sozinho.

"É na roda de mate que a tradição do chimarrão tem um significado muito especial, por agrupar pessoas, sem distinção de raça, credo ou poder econômico. Mas há ainda o mate solito e o de parceria", explica o cantor Ernesto Fagundes, apresentador do programa A Hora do Mate, transmitido diariamente pela Rádio Rural, de Porto Alegre.

Traço comum entre gaúchos e "gauchos" – unidos por um mesmo Pampa, mas separados pelas fronteiras entre Brasil, Uruguai e Argentina -, o chimarrão, como outras infusões, tem lá suas cerimônias e regras. Água quente? Sempre. Fervendo? Jamais.

A água muito quente queima a erva e estraga o sabor. A temperatura correta para o mate é de 65ºC – mas como ninguém fica conferindo com termômetro, é só tirar a chaleira do fogo no primeiro chiado.

Bem, o ideal gaúcho pede água aquecendo na chaleira enquanto se toma o amargo, mas a praticidade da garrafa térmica está se impondo. Afinal, foi ela quem libertou o chimarrão da roda de fogo e deu mobilidade à bebida, que passou a ser levada a escritórios, escolas, praças e à praia – sim, gaúcho toma chimarrão até à beira do mar no calor de fevereiro, o mês do veraneio no Estado. Qualquer local vale e toda hora é hora.

Mas não ouse fazer invenções com o mate, como adoçar ou pôr leite. Isso é ofensa das mais graves, assim como pisar no poncho – como se diz lá no Rio Grande do Sul.

Cuiaok(1).jpg

Deixe um comentário

Arquivado em Cultura

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s