Por que o Cala Boca Galvão deu certo


Na primeira Copa do Mundo das redes sociais, a criatividade brasileira ganhou um troféu. E o potencial de disseminação de ideias neste mundo de hipervelocidade de informação ficou muito evidente, mais uma vez. O case do CALA BOCA GALVÃO ganhou os trending topics do Twitter e até atenção da mídia internacional, no NYTimes e no El País, para ficar em dois exemplos.

A brincadeira de juntar um tema que está com toda a atenção da mídia, o ambientalismo, como ‘cavalo de tróia’ para levar adiante a brincadeira de tentar calar o mais notável dos comentaristas brasileiros, ganhou o mundo.

A ideia foi disseminar a campanha de que para cada tweet enviado, 10 centavos de dólar seriam doados para o Instituto Cala Boca Galvão, que protege os raros Galvão Birds. Segundo a campanha, são 300 000 pássaros exterminados ao ano para que suas penas sejam usadas no Carnaval. Teve até filme no YouTube

Brasil (bola da vez), Carnaval (a maior festa do imaginário no planeta) e ambientalismo (preocupação planetária) foram as receitas para a brincadeira ganhar tanta força.

E como o evento ficou nos trending topics do Twitter, teve muita gente curiosa e outras tentando explicar que o Cala Boca Galvão não se refere a salvar pássaros. Como a Advertising Age

Também teve a história que o CALA BOCA GALVAO seria uma canção da Lady Gaga, mas essa não colou muito e não é tão elaborada assim.

Vale explorar ao menos dois aprendizados desta incrível brincadeira:

1. A reação, elegante, do Galvão Bueno, uma “máquina bombástica de clichês”, segundo o NYtimes (clique aqui). Galvão evocou Ayrton Senna (um mito) para mostrar que é maior do que isso. Disse que o Senna, seu amigo, já o chamava ele de papagaio há muito tempo e agora fizeram este link com o papagaio. Galvão se auto-assumiu um tagarela. Aqui, um trecho de sua fala. É claro que a campanha tem o seu motivo de ser. O Galvão é muito chato em algumas transmissões e me deixa particularmente irritado em transmissões de jogos entre Grêmio e um time paulista (e acho que isso vale para qualquer torcedor de time de fora de São Paulo) com a imparcialidade com que narra. Ele, que é esperto, deve tirar algum aprendizado desta história. Mas não quis ir contra e isso é o que vale no mundo das redes sociais. Simplificando as coisas, é mais ou menos como crianças na escola. Aquele que mais se irrita é quem mais sofre. E a própria Globo fez um jogo brincando com as principais frases do Galvão. O jornal El País publicou. (Recentemente, uma grande empresa de produtos alimentícios reagiu muito mal ao protesto de fãs da página do Facebook em relação a um problema em um produto. Conseguiu ganhar a antipatia das pessoas e um problema que estava restrito ganhou uma dimensão muito maior. O jeito de as marcas (considerando o Galvão Bueno e a Globo como marcas) faz toda a diferença neste novo mundo das redes sociais. Tem que entender espírito do tempo…)

2. A brincadeira coletiva. Teve gente dizendo: por que o Brasil não se mobiliza para calar o Sarney ou para fazer outras coisas para um país melhor. Poderíamos ter várias explicações. Eu arrisco uma: o prazer. Ter o sentimento de fazer uma pegadinha coletiva funcionar no mundo inteiro não tem preço. A reação é imediata, divertida. O prazer é instantâneo. Falar para o Sarney sair é chato. Política é chato para a grande maioria das pessoas. Fazer a sua parte para um Brasil melhor é algo muito mais profundo. Enviar um tweet falando CALA BOCA GALVÃO é algo descompromissado, leve. Ou seja, não são coisas comparáveis.

Mas ficou uma dúvida: que fim levou a faixa que estava no início do jogo, com um recado para o Galvão?

Leia mais: O TED, as ideias e o incrível potencial multiplicador da internet

7 Comentários

Arquivado em Colaboração, Comunicação, Mundo 2.0, Nova Sociedade, Uncategorized

7 Respostas para “Por que o Cala Boca Galvão deu certo

  1. Muito bom, Rodrigo. A criatividade e o espírito de diversão do brasileiro são mesmo inacabáveis. Maior piada interna da internet da história. Brilhante!

    • Gabi, agora a turma forçou e estão com um calaboca para outro repórter da Globo! To achando que é uma grande baderna já!😉
      Bom, até a Veja deu capa desta história…
      Abracao
      Rodrigo

  2. Vanessa

    Ro

    Muito bom! Apesar de achar um
    pouco demais esta história de
    pássaro, é impressionante a
    força e a rapidez de posts no
    twitter…
    Caminho sem volta…
    Grande abraço.

  3. Pingback: Que venha a campanha 2.0 « A Ficha Caiu

  4. Pingback: As boa notícia de aproximar ideias diferentes « A Ficha Caiu

  5. Pingback: O melhor de 2010 – parte 3 | A Ficha Caiu

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s