As conexões tácitas – TED Global dia 3


Ao curar um evento como o TED, com várias sessões diferentes, às vezes fica difícil de “montar” o quebra-cabeça. Foi essa a impressão que fiquei com sessão 7, a que abriu o terceiro dia do TED. Apesar de ser chamada de ˜Criaturas grandes e pequenas˜, ela bem que poderia ser chamada de Jam Session, dada a disparidade de assuntos. O que no fundo, é uma grande oportunidade de abrir a cabeça. Se não, veja o que tivemos: começou com um fazendeiro orgânico, uma artista falando sobre porcos, um músico e sua banda tocando rock n`roll, um especialista em conservação marinha falando sobre baleias e golfinhos e um entomologista ecológico, que pregou a inclusão de insetos na alimentação!

Adrian Dolby foi o primeiro palestrante, questionando se seria possível alimentar o mundo com agricultura orgânica. “Não sei, disse ele, mas estamos falhando em alimentar o mundo hoje. “Há um bilhão de pessoas mal-nutridas hoje e outro bilhão de obesos.” De um total de 6 bilhões de pessoas, realmente é o bastante.

Aqui dentro, 185 usos para 103,7 kg de carne de porco

Depois de Dolby, entrou no palco a artista Christien Meinderstma para falar de seu projeto PIG 050499. A ideia de Christien é simples e justamente por isso genial. Ela ‘esquadrinhou’ toda a ‘cadeia produtiva’ de um porco, para descobrir que há partes suas nas mais diferentes coisas produzidas pelo homem. Desde freios de trens, passando por cerveja, até munição e válvulas cardíacas, as partes de porcos estão por todo lado. No total, 185 produtos surgirar a partir de 103,7 kgs do porco 05049. O resultado do trabalho de Christien é um livro com as fotos dos materiais produzidos e e algumas ilustrações. Uma incrível peça de arte que me trouxe uma dúvida e tanto: como esses achados dela podem impactar a vida de vegetarianos. (Não resisti e comprei a obra na livraria montada no hotel ao lado do teatro onde acontece a conferência para disponibilizar as obras dos palestrantes. Grande sacada, com um serviço adicional, o frete grátis, que ainda espanta a barreira do transporte dos livros e faz as pessoas comprarem mais do que deveriam!)

E se alguém ainda estava com sono no início da manhã, Thomas Dolby e sua banda deram um jeito. Dolby fEz uma mistura de música eletrônica e rock n`roll com música tradicional do interior americano. Sonzeira.

Do rock n’roll para a preservação marinha em mais uma das palestras aparentemente desconexas desta sessão maluca. Toni Frohoff mostrou imagens intrigantes de seu trabalho como biologista. Logo no início, alguns golfinhos nadando um tocando na nadadeira do outro, como se estivesse de mãos dadas. Segundo ela, os golfinhos apresentam empatia, complexidade social e podem ser felizes e sofrerem como nós fazemos. “Os golfinhos, baleias, elefantes e outros animais estão conectados não apenas por sua inteligência, mas também pela empatia. Frohoff ainda mostrou imagens de uma baleia “conversando” com um biologista enquanto ambos emitiam sons, e de uma baleia beluga se reconhecendo no espelho, como até então se acreditava que somente humanos e elefantes faziam.

Biscoito de insetos, até que estava bom!

E de baleias para insetos, o entomologista Marcel Dicke trouxe a controversa tese de que nossa alimentação deveria conter mais insetos! Primeiro, mostrou a relevância dos insetos em outros campos, vamos chamar assim, Para começar, na sua visão, nós não estamos em um planeta de homem, mas sim de insetos. Afinal, são 6 milhões de espécies de seis patas no planeta. E os insetos são extremamente importantes para a biodiversidade e… para a economia! Somente nos Estados Unidos, os insetos contribuem com um valor de US$ 27 bilhões anualmente para e economia, fazendo coisas como remover DUNG, polinizar plantações e controlar pragas. Mas o ponto dele era outro, era o de colocar os insetos no cardápio usual. De acordo com seus cálculos, cerca de 80% da população mundial come cerca de 1000 insetos hoje. Na verdade, todos comem de um jeito ou de outro. Prepare-se para esta informação: qualquer pessoa como até 500g de insetos por ano! E os chocolates, chocólatras, tem até 60 componentes de insetos por 100g. Delícia!

Pensando agora sobre esta sessão, digamos, heterodoxa, lembrei da conversa que tive com uma pessoa da equipe do TED sobre a dinâmica das sessões. Segundo ele, o primeiro dia servia de aquecimento, o segundo para acumular muita informação e no terceiro o cérebro já começava a fritar. No quarto dia, apesar de as ideias queimarem na chapa quente de informações que virou o cérebro, as coisas começavam a se conectar. E uma coisa estranha acontece: aparentemente, fica difícil de registrar, de acumular tanta informação, mas, inconscientemente, as ideias vão fazendo suas conexões, só percebidas mais tarde. Há também a comprovação de que o conhecimento humano avança em bloco, como se fosse um crowd sourcing tácito. Invenções como o avião e descobertas como evolução de Darwin mostram que o conhecimento humano avança de maneira coletiva, acompanhando a própria evolução da espécie, atendendo necessidades da evolução. O avião foi inventado quase simultaneamente por Santos Dumont e pelos irmãos Wright (americanos). A teoria da Evolução era objeto de estudos de Darwin e de outro pesquisador, Alfred Russell Wallace, que fez, inclusive, Darwin acelerar a publicação da origem das espécies assim que soube dos avanços do colega.

Pois bem, enquanto Adrian Dolby pergunta se vamos conseguir alimentar o planeta de maneira orgânica, Dicke apresenta a solução de se alimentar com insetos (não é de todo ruim, eu até comi um biscoito com alguns bichinhos). Ao mesmo tempo, Christien fala do uso utilitário dos porcos enquanto Toni Frohoff mostra os avanços na relação com os animais e quão pouco conhecemos as espécies que convivem conosco aqui no Planeta Terra, sejam eles porcos ou golfinhos. Conclusão: as conexões existem, sim, naquela que parecia ser uma sessão para encaixar temas que não couberam em outro lugar.

Deixe um comentário

Arquivado em Mundo 2.0, Nova Sociedade, Questões, Sustentabilidade

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s