Ideia barata e muito cara


Muito boa a capa do Extra hoje. Uma ideia de R$1,10, barata, mas muito cara para o Brasil.

O resultado do STF ontem dá uma medida do quanto a sociedade está carente de valores sérios e relevantes para o país.

Vale ainda ler a Eliane Cantanhede, na Folha. Dá um alento. E quando ela fala que a campanha está morna, não é para menos, com tanta decepção com a liderança política do país. Mas não somos nós que deixaremos barato, certo?

Vejam também a matéria sobre Guilherme Leal, vice da Marina, na Piauí que está nas bancas.

Vamos lá, a chance de mudarmos esta eleição está nas nossas mãos, literalmente.

E só lembrando, vale o clique: youtube.com/obrasilnaoedopt

ELIANE CANTANHÊDE

Rio e DF, pé no acelerador

BRASÍLIA – O Rio de Janeiro e o Distrito Federal têm uma característica curiosa: ambos antecipam tendências e às vezes chegam tão antes dos demais que acabam com resultados que fogem do óbvio e vão na contramão do resto do Brasil em disputas para presidente.
E não é de hoje. Na última eleição presidencial antes da ditadura e na primeira depois, o DF teve um resultado distinto do nacional. Jânio Quadros, em 1960, e Fernando Collor, em 1989, viraram onda nacional, mas perderam no DF. E Collor foi derrotado também no Rio.
São eleitorados que surpreendem ainda pelo descompasso entre o voto de vanguarda para a Presidência e o conservador e atrasado para os governos locais. Daí por que o Rio é capaz de eleger o Garotinho e depois a Garotinha, enquanto o DF, coitado, já passou por nada mais, nada menos que quatro governos de Joaquim Roriz.
Por isso, vale focar no resultado do Datafolha de quinta-feira nessas duas unidades da Federação. No Rio, Dilma caiu três pontos e no DF, sete. Mas o mais significativo foi a arrancada de Marina Silva, que encostou em Serra no Rio e ultrapassou o tucano no DF, onde já está em segundo lugar.
Aos números. No Rio, Dilma tem 45%, Serra, 23% e Marina, 22%. No DF, Dilma tem 36%, Marina, 26% e Serra, 23%. Não precisa pesquisar muito para ver o contraste entre esses resultados e o resto do país. Marina, por exemplo, está em ascensão, mas ainda com 13% na sondagem nacional.
A eleição, nas ruas, continua completamente sem sal, sem emoção, sem bandeiras e até sem adesivos em carros -conforme registram correspondentes estrangeiros no Brasil-, mas está apimentada no confronto entre as campanhas e ainda cercada de dúvidas relevantes até o dia 3, ou o dia D.
Afinal, assim é que é bom. Por isso, eleição no Rio e no DF sempre dá samba. Sem contar que, às vezes, dá uma ressaca desgraçada.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s