Um homem de bem


Há pessoas que passam brevemente pela nossa vida e mesmo assim conseguem deixar marcas e liçōes profundas. Foi isso que me veio à mente quando recebi a notícia do falecimento do Sidnei Basile, um grande jornalista, que — tenho certeza — foi inspirador para muitos jornalistas que cresceram com ele e depois de “passarem” por ele.

O falecimento de Sidnei foi a primeira informação que tive hoje, recebida da boca de minha esposa. Não poderia ser diferente e aqui vai a 1a lição das três que recebi dele e que compartilho aqui. Quando comecei a namorar minha esposa, nós trabalhávamos juntos. Tentávamos lidar com o fato com a maior maturidade possível para quem está na casa dos 20 anos. Entretanto, nem todos na equipe aceitavam, principalmente porque minha esposa era na época minha chefe! Quando a situação ficou realmente tensa, Sidnei agiu para desanuviar. Contou histórias de casais que se conheceram nas redaçōes (jornalistas têm destas manias) e disse que isso era normal ao reconhecer que com maturidade isso era possível. A tensão se dissipou e aí percebi claramente um líder em ação.

A segunda lição que recebi de Sidnei foi quando pedi um horário para informar a ele que estava deixando a revista para trabalhar em outra empresa, não-jornalística. Sua frase foi lapidar e memorável. “Vai lá, aprende e volta para o jornalismo. Afinal, jornalistas são como comunistas, prostitutas e ladrōes: nunca desistem, só descansam!” Sidnei, ainda não voltei para o jornalismo, mas tenha certeza que nunca desisti! Jornalismo é algo que se nasce com. Não há escolha. Há, sim, jeitos de se trabalhar com a informação, a alma do jornalismo.

E no final de 2009, a última vez que tive a sorte de encontrar e aprender com o Sidnei, caminhávamos em busca de um café no Parque Ibirapuera, no intervalo de uma atividade do Planeta Sustentável, projeto importante e de vanguarda da Editora Abril. O Planeta Sustentável trata de construir um mundo melhor. Como não poderia ser diferente, Sidnei estava diretamente envolvido. Cuidar das coisas e das pessoas estava na sua índole. Então, a caminho do café, Sidnei comentava da viagem que havia feito com sua família. Refletindo sobre a vida, disse que, mais do que trabalho ou cargos ou posiçōes, o que ficava da existência eram os bons momentos curtidos com pessoas queridas.

E ali caiu minha ficha: Sidnei sabia aproveitar a vida, fazendo o bem para quem estava por perto. Mais do que tudo, a lembrança que guardarei dele é a de que foi um homem de bem. Descanse em paz, Sidnei. E esta lágrima é um ponto final.

7 Comentários

Arquivado em Amizade, Inspiração, Jornalismo

7 Respostas para “Um homem de bem

  1. Ju De Mari

    Que bonita homenagem, Rô.

  2. Alexandre Basile

    Rodrigo, seu texto me comoveu muito. Talvez seja uma das homenagens mais bonitas que meu pai poderia receber. Bem do jeito dele, pessoal, transparente, carinhoso. Obrigado em nome de toda a família Basile

  3. Juliano Basile

    Obrigado pela bonita mensagem, Rodrigo! Fico feliz que vc também tenha compartilhado de momentos de jornalismo e de projetos para um mundo melhor com meu pai. Essas eram atividades preferidas dele! Um forte abraço, Juliano

  4. O bom dessa homenagem é que aprendemos que tem gente que é tão corajoso que paquera até a chefe… !!!

  5. Eliete Vieira da Cunha

    Meu filho, fiquei emocionada com teu texto, exaltando a sensibilidade do mestre Basile. Foste um bom discipulo!! bj.
    Eliete

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s