Ray Anderson e o Monte Sustentabilidade


Por muitos anos, repetimos no trabalho trechos do filme The Corporation, com o CEO da Interface Ray Anderson falando sobre seu desafio de tornar a empresa  totalmente sustentável até 2020. Uma bela de uma utopia. Daquelas positivas, mobilizadoras. A fala dele costumava estimular executivos do banco em que eu trabalhava e também de clientes que participavam dos treinamentos de sustentabilidade. Com a voz mansa, mas cheia de firmeza, Ray Anderson criou alguns gestos e frases que ficaram imortalizados no imaginário de quem lida com o movimento de sustentabilidade nas empresas.

Na segunda-feira passada, ele faleceu, depois de lutar por um bom tempo contra um câncer. Deixa um belo legado de transformação empresarial e o exemplo para quem quiser praticar. Está tudo contado nos livros abaixo:

Product Details

Product Details

Product Details

Ray Anderson também fez uma palestra no TED, que resume bem sua visão.

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=iP9QF_lBOyA]

No site da Ideia Sustentável, há um bom texto sobre quem foi Ray Anderson.

Segue um parágrafo:

“Impactado pela demanda dos clientes e pelo contundente ideário verde de Hawken, Anderson decidiu, pouco antes de sua empresa completar 21 anos, que a partir daquele momento a InterfaceFlor só “tomaria da Terra o que fosse natural e rapidamente renovável”. Como resultado desse desafio, gestou-se o projeto chamado Missão Zero, que prevê eliminar os impactos ambientais até 2020. “Quatorze anos atrás, quando ousei descrever a alguns amigos as aspirações que me motivavam a construir o modelo de empresa que tenho hoje, ouvi que eram impossíveis de ser realizadas. O impossível hoje se traduz no uso altamente eficaz do petróleo (energia e matéria-prima) para a fabricação do carpete, com redução de 88%, em toneladas absolutas, nas emissões de gases de efeito estufa e de 80% no uso de água, em relação a 1996. Fizemos tudo isso num contexto de aumento de dois terços nas vendas e 100% no faturamento”, afirmou o chairman da InterfaceFlor, empresa com 4.000 empregados e atuação em 110 países.

Os números da InterfaceFlor comprovam que ser sustentável é um bom negócio. A iniciativa de eliminar resíduos, sozinha, proporcionou à companhia uma economia de custos da ordem de U$ 372 milhões em 13 anos, quantia suficiente para cobrir todos os investimentos feitos no esforço de implantar a nova missão verde da empresa. Cerca de 42% de fumaça e 81% de efluentes foram evitados em virtude de mudanças de processos. E ainda 133 milhões de libras de produtos usados e coletados no end-of-life acabaram reciclados em carpete novo. Mais de 20% das matérias-primas provêm de fontes renováveis, recicladas ou biomateriais (a meta é 100% até 2020), a energia derivada de combustíveis fósseis foi reduzida em 55% e seis das 11 fábricas já operam com 100% de eletricidade gerada a partir de fontes renováveis (solar, eólica, geotérmica e de biomassa).”

Descanse em paz, Ray Anderson, e obrigado por toda a inspiração.

2 Comentários

Arquivado em Sustentabilidade, Uncategorized

2 Respostas para “Ray Anderson e o Monte Sustentabilidade

  1. Oi conheça o meu blog de design sustentavel, coloquei um link em design. abraços.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s