Arquivo da categoria: Cultura

Mate na paulicéia

Mas, ah!

Estadão traz hoje um especial sobre chimarrão no caderno Paladar.

Tem de tudo, até receita de farofa e sorvete com chimarrão, feitas pela chef Carla Pernambuco, que, apesar do nome, é gaúcha!

Segue abaixo uma das matérias e aqui o link para todas.

Esse post é especial para meu amigo Mauro Sergio, que me perguntava dias atrás como se fazia o chimarrão. Bah, e é claro que o escrevo sorvendo um bom de um mate vindo lá dos pagos do Mercado Público de Porto Alegre!

6242006ok.jpg

Tradição. Mate bom, é mate puro, sem adição de açúcar ou leite. Foto: Alex Silva/AE

Puxe o banco e sente, enquanto a chaleira chia e o Paladar ceva o amargo do chimarrão para você. E, já que adaptamos o verso de Cevando o Amargo, do gaúcho Lupicínio Rodrigues, acrescentamos uma outra recomendação: faça-o numa roda de amigos, porque tomar chimarrão é amistoso, agregador, embora se possa, é claro, saboreá-lo sozinho.

"É na roda de mate que a tradição do chimarrão tem um significado muito especial, por agrupar pessoas, sem distinção de raça, credo ou poder econômico. Mas há ainda o mate solito e o de parceria", explica o cantor Ernesto Fagundes, apresentador do programa A Hora do Mate, transmitido diariamente pela Rádio Rural, de Porto Alegre.

Traço comum entre gaúchos e "gauchos" – unidos por um mesmo Pampa, mas separados pelas fronteiras entre Brasil, Uruguai e Argentina -, o chimarrão, como outras infusões, tem lá suas cerimônias e regras. Água quente? Sempre. Fervendo? Jamais.

A água muito quente queima a erva e estraga o sabor. A temperatura correta para o mate é de 65ºC – mas como ninguém fica conferindo com termômetro, é só tirar a chaleira do fogo no primeiro chiado.

Bem, o ideal gaúcho pede água aquecendo na chaleira enquanto se toma o amargo, mas a praticidade da garrafa térmica está se impondo. Afinal, foi ela quem libertou o chimarrão da roda de fogo e deu mobilidade à bebida, que passou a ser levada a escritórios, escolas, praças e à praia – sim, gaúcho toma chimarrão até à beira do mar no calor de fevereiro, o mês do veraneio no Estado. Qualquer local vale e toda hora é hora.

Mas não ouse fazer invenções com o mate, como adoçar ou pôr leite. Isso é ofensa das mais graves, assim como pisar no poncho – como se diz lá no Rio Grande do Sul.

Cuiaok(1).jpg

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Cultura