Fôlego


‘”A vida vem em ondas, como o mar…”, já cantava o sábio Lulu Santos. Pois os últimos quatro dias esse refrão ficou na minha cabeça. No mar, acontece mais ou menos assim: está tudo na maior tranquilidade, com asuperfície da água lisa. Então,  a linha do horizonte fica um pouco elevada. Nesse momento, vale se preparar, virar a prancha em direção ao horizonte e remar. Em alguns segundos, a série vai chegar. E ficar na zona de impacto da primeira onda não é nada recomendável. Assim, quando as ondas chegam, quem estiver melhor posicionado se dá bem.

Malcomparando, nos últimos dias, as séries vieram direto. Séries de tosse intermitente, que roubam o fôlego, tiram a respiração e a tranquilidade. Está tudo ok num minuto. Respiração numa boa, sorrisos fartos, chocalho de um lado para o outro. Então, o ar começa a entrar ruidosamente pela garganta. Até que vira um ronco que lembra um ronronar de um gato amplificado. Nesse momento, vale se preparar porque a tosse vai chegar. Primeiro, uma tosse tímida, que lembra um engasgo. Em seguida, um guincho que lembra uma buzina ao final. E aí, o nenê fica vermelho e começa a perder a respiração. E se quem for acudir estiver bem posicionado nessa hora, o sofrimento vai ser bem menor.

Diagnóstico: laringite.

Vicente tem sofrido nesses últimos dias. A tosse é forte. Começa tímida. Dois pigarrinhos. E em seguida vem o guincho terrível. Ele perde a respiração e começa a ficar vermelho. A única coisa a fazer nessa hora é virá-lo levemente de cabeça para baixo e esfregar suas costas, de baixo para cima, até ficar mais tranquilo. (Exige sangue frio. Ver o filho de seis meses se engasgando e perdendo a respiração nas suas mãos é angustiante. Em duas ocasiões, não aguentamos e corremos para o hospital. Para chegar lá e os médicos dizerem que estava tudo bem…)

Com a tosse, entra ar na boca escancarada. Com a mão com que segura a barriga, consigo sentir bolas de ar passando pelo aparelho digestivo. Deve doer para caramba. A ‘série’ vem com três, quatro e até seis ondas de tosse. Quando acaba, Vicente tem um chorinho contido, apertado e espremido. Aí, começa a relaxar, chora mais um pouquinho e volta a dormir ou a brincar. Não poucas vezes, 30 segundos depois de levar a vaca na série* já estava sorrindo. Enquanto os pais já estavam em vigília (dormindo ou acordado), esperando pela próxima série.

A ficha caiu. Vamos olhar a metade cheia do copo: que bom que estávamos de férias nessa semana. Não ia ser fácil aguentar o sono-Amyr-Klink (45 minutos no máximo) tendo que trabalhar no outro dia… Valeu, Ju, pela parceria na madrugada. Haja trabalho em equipe para aguentar o tranco!

ps: Um brinde aos amigos. Pela segunda vez que a laringite atacou em casa, amigos estavam por perto para socorrer na correria desenfreada para o hospital e ficar lá por até 2 horas (na madrugada) em toda a função envolvida (consulta, inalação, raio-X etc). Com família longe, ter amigos  por perto é como ter luz em um caminho escuro. Dá um alívio… Valeu, Ale (duas vezes), Duda, Zé (na vez do Augusto) e esposas.

*Linguajar de surfista, quer dizer cair da onda.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Amizade, Surfe

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s