Arquivo da tag: Redes sociais

Transparência e diálogo: tendências do TED2011

Nesta era de dados que trafegam na velocidade da luz, ainda estamos tentando dar vazão e compreender o que se faz com tanta informação. Principalmente quando ela é capaz de derrubar regimes e sistemas complexos e estabelecidos há anos. Não à toa, o tema transparência esteve muito presente no TED 2011.

Ainda no primeiro bloco, Wadah Khanfar, diretor da Al-Jazeera, falou sobre a revolução na Tunísia, e como a transparência sobre o que estava acontecendo via disseminação da mensagem pela televisão e outros meios ajudou a dar força ao movimento. Emocionado, ele disse que: “uma nova geração conectada e inspirada por valores comuns criou uma nova realidade para nós. Estamos testemunhando história, o nascimento de uma nova era”.

O executivo do Google Wael Ghonim, que teve papel-chave na mobilização via redes sociais que acelerou a queda do ditador egípcio é um exemplo marcante do nascimento desta nova era. Ele repetiu sua frase que já se tornou a marca desta revolução colaborativa: “Não houve um herói, porque todos foram heróis.” E também disse: “O poder das pessoas é muito mais forte do que as pessoas no poder”.

As marcas e a transparência

Morgan Spurlock, o autor do filme SupersizeMe, foi direto ao ponto transparência. Sua nova empreitada que vai sacudir o mercado publicitário, que não é o que se pode chamar de grande exemplo de transparência… A ideia foi criar um filme chamado “The greatest movie ever sold”, ou o “maior filme já anunciado”. O objetivo foi fazer um filme cujo único propósito era anunciar o próprio filme. Uma grande sacada. Ele foi atrás de marcas para ajudar a financiar, mas obviamente ninguém topou. É claro que durante todo o processo, Spurlock abusou do bom humor para mostrar como funciona o mundo da publicidade. Hoje, em média, uma pessoa recebe cerca de 1500 mensagens publicitárias por dia (procurei estudos sobre isso, quem quiser pode me pedir a fonte que variavam entre 800 a 3000 mensagens por dia – fiquemos na média). Faz-se de tudo para chamar a atenção para uma marca, muitas e muitas vezes prometendo aquilo que não pode ser cumprido… Spurlock disse que tem esperança que seu filme faça com que as companhias pratiquem mais a transparência, um elemento que ele disse ter sentido falta em suas viagens pelos Estados Unidos na produção.

Spurlock e sua nova empreitada: uma balançada no mercado publicitário

No mesmo bloco de Spurlock, coincidentemente ou não, falaram dois executivos responsáveis por grandes empresas, Indra Nooyi, da PepsiCo, e Bill Ford, da Ford. Bill Ford estava mais à vontade do que Indra, mas só no início da palestra. Bill mostrou que a Ford está sim preocupada com o impacto ambiental dos carros, mas partiu da premissa que o número de carros não vai deixar de crescer exponencialmente. Fiquei um pouco frustrado. Achei que ele apresentaria opções para um transporte mais eficiente e não apenas para carros mais eficientes. Segundo ele, temos hoje 800 milhões de carros, número que saltará para algo entre 2 e 4 bilhões em 2050. Assustador.

Indra perdeu uma grande oportunidade também ao focar demasiadamente no seu negócio. Ironicamente, ela começou dizendo que fez uma pesquisa e descobriu que apenas um pequeno percentual dos palestrantes do TED eram CEOs e que achava isso curioso e cuja explicação pode ser o fato de que os CEOs em geral não são confiáveis. Então, começou a falar (bem) sobre sua visão de negócio, sobre como uma grande empresa pode contribuir com o mundo e conquistar confiança dos consumidores desta maneira . E aí no segundo terço em diante, a palestra desandou. Indra se pôs a falar do Pepsi Refresh, um projeto muito bacana, mas que não tem nada a ver sobre a reinvenção do negócio em busca de sustentabilidade.

A plateia do TED não gostou nem ao vivo e nem nas redes sociais. Muitos criticaram a visão excessiva do produto. Eu fiquei particularmante incomodado com a visão onipresente da marca Pepsi nos slides. Enquanto muitas pessoas estão lá falando de projetos incríveis de vida ou da construção de um mundo melhor, o foco excessivo em um projeto de uma marca não caiu bem. No último bloco, num primor de transparência e abertura ao feedback, Chris Anderson deu espaço para que as pessoas fizessem falas de feedback de 1′. Uma delas foi dirigida à Ford e outra a Indra. A crítica à Ford foi a que mencionei (falta de visão do todo) e a da PepsiCo foi mais dura. No lugar de chamar a atenção para a reinvenção do processo produtivo, ao expor a marca em demasia, Indra atraiu a antipatia das pessoas. Então alguém disse que por mais que falasse bem da marca, não tinha como amenizar o fato de que a PepsiCo vendia água açucarada para as crianças.

Críticas à Pepsi: água açucarada para crianças

 

O caminho: diálogo

A mensagem foi mesmo dura, até radical, mas o ponto nem é este. O ponto é que as marcas e empresas ainda estão aprendendo a lidar neste mundo. O fato de um CEO do porte da Pepsi não entender como fazer uma fala em um evento de vanguarda como o TED mostra uma certa desconexão com o momento. E até explica porque não há tantos CEOs por lá. Será pelo fato de não falarem a mesma língua? A cobrança e interação das pessoas será cada vez maior. Definitivamente não será fácil a vida das grandes marcas daqui para frente se não conseguirem provar sua relevância.

O importante, principalmente para as marcas, é manter o diálogo. Depois de sua fala, o documentarista Spurlock ainda disse ao Huffington Post, que acredita que a transparência será algo cada vez mais necessário frente à vontade de as pessoas em saberem e trocarem mais informações via redes sociais. E de novo caímos no tema redes sociais e web. A crescente procura por transparência está crescendo graças à web e ao momento da civilização. Um site como o Wikileaks não existiria se não fosse tão fácil espalhar informações. As revoluções no Oriente Médio têm muto de sua força e rapidez graças à troca de informações. Apesar de ainda não ser livre e transparente em todos os lugares, como na China, por exemplo, de onde veio um vídeo gravado por Ai Weiwei, artista dissidente chinês cujo nome foi banido dos serviços de busca na web chinesa.

Ai Weiwei fez uma das reflexões mais profundas, que toca diretamente também no tema da transparência. Sobre sua situação e de outros na China, ele disse que as nações ocidentais estão tolerando aquilo que está acontecendo. “É uma visão curta. (…) Todo o sistema está se tornando corrupto e nossa sociedade está sacrificando o meio-ambiente, nossa cultura, para se tornar rica.” A frase de Ai Weiwei traz muitas reflexões. Uma delas pode ser a própria capa da Wired que está nas bancas neste mês, questionando o modelo de produção chinês para produzir gadgets como iPods e iPads, entre outros. A revista questiona qual a responsabilidade de cada um neste processo e se já não é hora de olhar mais a sério para isso.

Wired e a capa polêmica: você deve se preocupar?

Vício de jornalista, fui conversar com o outro lado, um amigo chinês que fiz lá em Palm Springs. Professor de universidade importante, intelectual, não bateu palmas ao final do vídeo gravado clandestinamente por Ai Weiwei e enviado ao TED. Aquilo me intrigou e mais tarde, em uma festa de confraternização da conferência, fui perguntar a opinião dele sobre o vídeo. Com semblante sério, disse que não gostou de ver “roupa suja sendo lavada em público”. Segundo ele, o governo chinês está fazendo tanta coisa, tirando tanta gente da miséria, que achava melhor dar crédito e tratar estas questões internamente antes de expôr o país nesta situação. Confesso que fiquei surpreso com esta reação, que carrega um sentimento de patriotismo maior até que a causa da liberdade de expressão. Respeito, mas acho difícil entender.

Países como a China abusam dos filtros na internet, mas eles não estão presentes apenas nas escolhas de agentes do governo. Eli Pareser, autor do livro “The Filter Bubble” fez uma fala bastante intrigante sobre este assunto. Segundo ele, os algoritmos que filtram as buscas do Google, Yahoo ou de qualquer outro serviço que apresente informações a seu pedido ou não, estão filtrando a realidade, escondendo informações desconfortáveis. “Os algoritmos não tem a mesma ética que os editores. Nós precisamos que os editores de informações coloquem um senso de responsabilidade nos algoritmos”, disse. “Eles mostram o que queremos ver e nem sempre o que precisamos ver.” Numa época em que se vive a busca por maior transparência, sem nem mesmo sabermos onde isso vai nos levar, não será surpresa a emergência de realidades mais cruas. É o que Morgan Spurlock falou em relação à transparência das marcas e o que começou a explorar em SupersizeMe e agora irá mais fundo no novo documentário. O mundo está cada vez mais em ON e com a definição de telas HD. Está cada vez mais difícil esconder as coisas.

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em Colaboração, Comunicação, Inspiração, Interdependência, Mundo 2.0, Nova Sociedade, política, Questões, Sustentabilidade

Os movimentos avançam mais rápido com a internet

Internet foi útil para a revolução no Egito

Recentemente, o brilhante jornalista Malcolm Gladwell, autor de Blink e Outliers, escreveu no blog da revista New Yorker dizendo que o Twitter e Facebook foram menos importantes na revolução do Egito do que se faz crer. Gladwell escreveu um parágrafo que é de encher os olhos dos românticos que acham que revolução de verdade eram aquelas que aconteceram na Europa por mobilizações espontâneas, como a turma que derrubou o muro de Berlim ou antes disso o pessoal da Revolução Francesa. Ninguém vai desmerecer o fato e a importância dos movimentos e que isso se deu sem telefone ou Facebook e mesmo assim fizeram a revolução.

Mas discordo que no Egito o fato menos importante de tudo é o quanto as pessoas que estavam na rua foram ou não mobilizados por alguma rede social.

Right now there are protests in Egypt that look like they might bring down the government. There are a thousand important things that can be said about their origins and implications: as I wrote last fall in The New Yorker, “high risk” social activism requires deep roots and strong ties. But surely the least interesting fact about them is that some of the protesters may (or may not) have at one point or another employed some of the tools of the new media to communicate with one another. Please. People protested and brought down governments before Facebook was invented. They did it before the Internet came along. Barely anyone in East Germany in the nineteen-eighties had a phone—and they ended up with hundreds of thousands of people in central Leipzig and brought down a regime that we all thought would last another hundred years—and in the French Revolution the crowd in the streets spoke to one another with that strange, today largely unknown instrument known as the human voice. People with a grievance will always find ways to communicate with each other. How they choose to do it is less interesting, in the end, than why they were driven to do it in the first place.

Brian Solis, um expert em redes sociais e relações públicas, autor do livro Engage, argumentou que Gladwell perdeu o ponto da discussão. Para Solis, o que está por trás do uso das redes sociais neste momento é o poder de ativação. E nisso eu concordo mais com ele do que com Gladwell.

O fato de as pessoas estarem em contato constante umas com as outras sem dúvidas nenhuma ajuda um movimento a ganhar força rapidamente. Há pensadores argumentando que se não fosse pelo fato de que há crise econômica no Egito, ninguém se mobilizaria para sair às ruas para derrubar um ditador. Ok, mas vamos juntar então a insatisfação pela crise econômica, com a velocidade de tráfego de informação com a abertura ao mundo exterior e ver o que acontece: mobilizações potencializadas pela velocidade. Queiram ou não os regimes, as pessoas sabem na velocidade da luz que há uma crise no país vizinho (como a população do Egito soube da revolução na Tunísia).

Queda do acesso na internet no Egito. Fonte: NY Times

Verdade seja dita que os governos não ignoram mais esse poder. Ou o Egito não teria derrubado a internet do país na vã tentativa de estancar o descontentamente que já havia vazado do mundo online para o real (que no fundo, hoje, já são na grande maioria dos casos a mesma coisa). Também a China não teria proibido a busca pela palavra Egito nas ferramentas de busca que aos trancos e barrancos funcionam no país (o Google ameaçou deixar a China, lembram?).

Também por saberem deste potencial, os ditadores podem usar as ferramentas sociais ao seu favor. Na Síria, Bielo-Rússia e Irã, o governo está perseguindo ativistas pelo que eles dizem nos seus perfis no Facebook, Twitter ou qualquer outro. É o outro lado da moeda. Você tem liberdade para se expressar, mas saiba que alguém do outro lado está lendo. Scott Shane escreveu no NY Times sobre isso e o Estadão reproduziu aqui.

O ponto em questão é o quanto as possibilidades de informação se expandem e como se faz importante saber o potencial que oferecem. E aqui vale falar da teoria dos laços fracos, de Mark Granovetter. Os laços fortes são aquelas pessoas que você conhece muito bem e os laços fracos são representados por aquele colega de trabalho que você encontra de vez em quando em uma reunião ou mesmo um ex-colega de escola. Pois bem, as ferramentas sociais de mais sucesso hoje são Facebook, Orkut, MySpace, Twitter etc, porque se apóiam nos laços fracos.

A lógica é a seguinte: os laços fortes pensam exatamente como você, têm os mesmos interesses, portanto, não agregam muito valor sob o ponto de vista do conhecimento. Já os laços fracos têm um incrível potencial de agregar mais conhecimento, assim como o de ampliar a disseminação de qualquer mensagem. Exemplo: quão poderosa e importante para a sensação de que está dando certo um movimento a distribuição de um video destes pela internet, sem filtros, sem interferência do governo, apoiada na distribuição via laços fracos?

Os laços fracos catalisam movimentos à medida que ajudam a disseminar informações mais rapidamente. Aumentam o potencial de qualquer ideia, tema ou projeto. Iniciativas como Kiva e Kickstarter se apóiam nisso para dar visibilidade e viabilidade a projetos do mundo inteiro financiados por pessoas do mundo inteiro.

E, sem dúvidas, tem o potencial de causar terremotos políticos e até de derrubar governos linha-dura que limitam a liberdade (e portanto o potencial) de milhares de pessoas. O video abaixo é um exemplo primoroso da manifestação desta vontade de liberdade.

Tá, pode ser que o Twitter e o Facebook não tenham sido cruciais nestas mobilizações, mas o fato é que minimizar — ou tentar ridicularizar — o seu efeito se presta a duas coisas, na minha opinião: 1) criar polêmica e 2) criar polêmica. Não consigo acreditar que alguém com o calibre intelectual de Gladwell não queira aceitar os efeitos da sociedade conectada em rede.

A pergunta está na direção errada. Não deveria ser se o Egito precisa de Twitter. Mas quando o Twitter e outros ajudaram a disseminar a mensagem de modo mais veloz entre a sociedade.

(Atualização – 10/02/11)

O Estadão de hoje publicou artigo de Thimothy Phelps, do Los Angeles Times, lembrando o quanto as redes foram importantes em 2008, nas raízes do movimento que se alastrou pelo Egito.)

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

O matador e os filmes de matadores

Sempre tem discussão boa com as pessoas com quem trabalho. É um ótimo jeito de formar opinião sobre assuntos relevantes para a época em que vivemos. Qualquer coisa é motivo de discussão: wikileaks, política, jeito de usar redes sociais e impactos na imagem e, obviamente, futebol. Mas o assunto de hoje pela manhã foram as mortes nos Estados Unidos. Surgiram bons e argumentos e reflexões a partir do texto abaixo, de Eugenio Bucci, sobre possíveis causas sociológicas dos matadores casuais americanas, que se repetem como avassaladoras chuvas de verão na região Sudeste do Brasil.

O sempre atento @dkeichi enviou o vídeo abaixo, de Charlie Broker, que tem um programa na BBC, em que faz análise da mídia

]

Resumidamente, Daniel elencou abaixo o que dizem os especialistas em relação a como a imprensa deve tratar estes casos:

1) Tratar a notícia da maneira mais entediante possível, sem nenhum sensacionalismo.

2) Não mostrar cenas, reconstituições, depoimentos de pessoas, etc

3) Não divulgar o nome do atirador, puxar perfis do facebook, posts de blogs pessoais, etc.

4) Não mostrar a foto do atirador.

E a conclusão: “É exatamente o que a imprensa não faz, e esses mesmos especialistas dizem que tal prática só incentiva que mais mass shootings aconteçam. Tudo que um louco desses quer é a glória de uma frontpage e sentir que “I showed the world my feelings”.

Btw, não sei se concordo muito com a influência dos filmes.”

Bom, concordo com tudo que @dkeichi diz, só não com a visão sobre os filmes. Enquanto pensava na argumentação, não pude deixar de lembrar do

Jack Bauer, do seriado 24 horas. É o louco com a arma na mão que faz tudo por justiça. (O seriado é legal, vi algumas temporadas, mas há questões éticas envolvidas.) No final das contas, ele é o herói justiceiro. E no imaginário entorpecido destes matadores (cujo nome não digo aqui também e aliás, nem sei…), isso é o jeito de se fazer justiça.

Estes filmes de heróis justiceiros desde sempre povoam o imaginário coletivo americano. Dirty Harry, Duro de Matar, Chuck Norris, Rambo, Cobra, Exterminador do Futuro. A lista é gigantesca. São filmes famosos, que vendem muito e devem passar toda hora na sessão da tarde americana. Dá nisso. O cinema, a arte, ajuda a moldar a cultura e influenciar atitudes. Se a família estiver por perto e ajudar a contextualizar a violência (“Isso é só um filme!), acredito que ajude a colocar o filme no seu lugar certo. É só um “achismo” e eu adoraria ver algum estudo sobre isso. Portanto, se alguém o tiver aí ou algo para colaborar na discussão, por favor.

Segue o artigo publicado no Estadão hoje.

”Be a killer, be a star

Eugênio Bucci – O Estado de S.Paulo

O leitor haverá de perdoar o título em inglês, mas isso nem é bem um título de artigo – é, isso sim, um imperativo, uma lei não escrita e, não obstante, reiterada diariamente pelos mil alto-falantes da indústria de entretenimento, na língua dos filmes de guerra de Hollywood, com sabor de bombardeio: é um mandamento que tem gosto de slogan publicitário e de sentença de morte. Por isso vai no título assim mesmo, em inglês. Fica mais claro. A adoração da violência, da qual o espetáculo que nos cerca não consegue mais escapar, ordena, todos os dias, a todos os adolescentes que não veem sentido na vida: “Be a killer, be a star.” Mate e fique famoso. Se viver é uma tolice, matar será a sua trilha para o estrelato.

As evidências surgem em profusão. Agora, no fim de semana que passou, explodiu mais uma. Em Tucson, no Arizona, um rapaz de 22 anos, cujo nome não será digitado neste texto, disparou a sua arma contra inocentes aglutinados num evento público. Matou seis pessoas e feriu gravemente a deputada democrata Gabrielle Giffords, que tem chances de sobreviver. Sim, o roteiro é conhecido. Essa modalidade de crime vem se banalizando nos Estados Unidos, num script sempre idêntico, no qual só varia o nome das cidades, dos assassinos e de suas vítimas – o resto é igual: um jovem que, segundo depoimentos dos professores e vizinhos, era “estranho” e “desequilibrado”, tanto que cultuava ideais nazistas ou análogas, sofre um revés na escola, vai a uma loja do bairro, compra um fuzil ou uma garrucha e mata meia dúzia de conterrâneos.

Por quê? Aí está o ponto: as evidências são clamorosas e repetitivas, mas a compreensão do que se passa é mínima, quase miserável.

A maior parte das explicações faz referência ao fetiche que a cultura americana desenvolveu pelas armas de fogo. Alegam que espingardas e pistolas são objetos de desejo e, mais grave, estão à venda em qualquer esquina dos Estados Unidos. Um bom exemplar dessa linha de explicações pode ser visto no filme Tiros em Columbine, de Michael Moore, que levou o Oscar de melhor documentário em 2003. A partir de um caso semelhante a esse de Tucson, o filme de Michael Moore critica acidamente o fascínio da sociedade americana por equipamentos bélicos em geral. É claro que Michael Moore aponta um dado real, mas não resolve a charada. Proibir o comércio de armas de fogo não solucionaria a questão; a causa não é apenas essa e talvez não seja fundamentalmente essa. Há mais fatores a considerar.

Agora, no crime de Tucson, em que uma bala atravessou a cabeça da deputada Gabrielle Giffords, que é odiada pelos republicanos linha-dura, aparece com mais clareza outro ingrediente: as ideologias intolerantes, quase sempre de corte ultraconservador, comparecem como um denominador comum entre esses criminosos. Outra vez, o dado é real, mas parcial e perigosamente enganoso, pois pode levar a crer que esse tipo de crime é coisa de gente “de direita” – e não é, ou não é só de gente “de direita”.

O que falta ser levado em conta, aí, é o papel estruturante da indústria do entretenimento, tal como ela foi moldada pelo mercado americano. É essa indústria que fornece o repertório de signos, símbolos e narrativas pelo qual os valores da violência, da xenofobia e da intolerância ganham sentido. O fetiche da arma de fogo só virou uma categoria sólida na sociedade americana – e na sociedade global, por extensão inevitável – porque encontrou lugar nuclear no modelo do herói consagrado pelo entretenimento. Esse herói é o indivíduo solitário que, com sua integridade (ou turrice) e sua força, moral e física, enfrenta o “sistema”. Para ele, a acusação de ser desajustado é bobagem. Ele não liga. Ao contrário, ele até se sente fortalecido quando cai no estereótipo de “incompreendido”. O herói de Hollywood, tal como foi esculpido ao longo do século 20, é aquele que, em nome do bem, que só ele sabe qual é, recorre à violência mais selvagem; é aquele que se mata em nome de sua própria teimosia. Então, a mocinha que o ignorava irá chorar por ele. É nesse modelo de herói, precisamente nele, que se refugia o psiquismo desse tipo de criminoso. As mesmas manchetes (de jornais, revistas, rádio, televisão e internet) que o denunciam, expondo sua foto, sua biografia e suas esquisitices, fazem com que ele se sinta glorificado, num tempo em que é glamouroso, como nunca foi, fazer o papel de bandido corajoso. São essas as manchetes que ordenam: “Be a killer, be a star.”

Antes que se pense, então, que a saída estaria num recuo da imprensa, que teria de deixar dar destaque aos assassinos, é bom avisar: também nesse ponto existe uma armadilha. Assim como a raiz do problema não está na venda de armas nem nas ideologias “de direita”, ela também não está na tal “mídia”. Ela está, antes, na combinação dos três fatores que foram listados aqui: a idolatria das armas e de seus senhores, a intolerância extremada e, finalmente, o fator que articula os outros dois, o chamado “star system”, no qual ser estrela vale mais do que viver ou deixar viver. Essa é uma combinação poderosa, profunda, que não se resolve com proibições burocráticas. O público deseja (com um ardor demasiado, é verdade) ver de perto essas tragédias reais, e tem o direito de vê-las. Aos jornais cabe narrar as tragédias. A pergunta é: por que o jornalismo não tem sido capaz de ajudar o público a compreender essas tragédias?

Em parte, porque a imprensa se tornou parte da indústria do entretenimento e, com isso, perdeu distanciamento para criticar os fundamentos dessa indústria. Ela vê criticamente o mercado de armas e o obscurantismo das ideologias, mas não visualiza direito como entretenimento e violência se entrelaçam. Sem se dar conta, a imprensa é o céu estrelado pelos assassinos que ela ajudou a convocar.

JORNALISTA, É PROFESSOR DA ECA-USP E DA ESPM”

5 Comentários

Arquivado em Comunicação, Jornalismo, Nova Sociedade

O melhor de 2010 – parte 3

Tecnologia, redes sociais, felicidade, disposição de lixo e até travel writing (de 2009!) estiveram entre os textos mais acessados de 2010.

O Cala Boca Galvão foi um dos grande momentos da internet em 2010! Mereceu até referência de um dos maiores blogueiros sobre tecnologia e redes, o Ethan Zuckerman, na palestra que deu no TED Global, em Oxford. Foi um exemplar caso de impactos na reputação no mundo conectado em rede e sobre como interagir (e não “reagir”. Na ocasião, a Globo ficou em dúvidas sobre como agir enquanto o barulho aumentava na internet. Até que resolveram fazer o Galvão brincar com a história e a coisa deu uma acalmada.  A lição que ficou é a mesma para todas as empresas que estão tentando entender as redes sociais: mesmo que você não queira, você já está na rede, já há gente falando de você.

Outro post bem acessado em 2010 foi sobre as pistas falsas para a felicidade. Gosto muito de escrever sobre este tema e neste próprio post há vários links para outros posts sobre o mesmo assunto. Vale a máxima do Jabor para este assunto: “a vida gosta de quem gosta dela”. Para saber mais, vale ler o último post de 2010: “Em 2011, viva o lado positivo da vida”.

Segue mais uma leva de mais acessados e outras fotos ao final.

6. Comprar ou não comprar um iPad?

7. Por que o Cala Boca Galvão deu certo

8. As pistas falsas para a felicidade

9. Lixo seco ou úmido?

10. American Way of flying

Fiz esta e as quatro fotos abaixo no mesmo dia, em momentos diferentes, com um tripé. São Paulo também tem cores!

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Um mundo sem palavras e outras

O mundo sem palavras

Um video incrível sobre como seria feito o mundo sem palavras.

Governos, empreendedores sociais e interdependência

Na semana passada, a revista Economist publicou uma matéria que fala da aproximação cada vez maior entre governos e empreendedores sociais. A matéria diz que os governos estão pedindo ajuda para resolver seus problemas. Tanto na Inglaterra como nos Estados Unidos, esta tendência está em alta. O governo de Barack Obama listou os 11 primeiros programas que serão apoiados pelo novo Fundo de Inovação Social. No total, cerca de US$  50 milhões se juntarão ao aporte de US$ 74 milhões de grandes ONGs para expandir o trabalho em saúde e para criar empregos para apoiar jovens. É uma grande notícia, que deixa claro a importância do envolvimento de todos na solução de problemas. Afinal, ninguém faz nada sozinho. A matéria da Economist: http://www.economist.com/node/16789766

Life is good lab

É cada vez mais comum a vontade das empresas de construirem algo em conjunto com os consumidores. Estamos saindo das interações entre marcas e consumidores para um diálogo mais profundo, que visa construir algo. O problema é que poucas empresas estão conseguindo fazer isso na prática, além do discurso…

Bem, a LG acaba de criar o LG Life’s Good LAB, uma plataforma colaborativa criada e desenvolvida pela LG do Brasil. Usando o Facebook, a empresa quer atrair ideias para o desenvolvimento de produtos. As ideias serão avaliadas e poderão virar projetos na LG. Eis o vídeo de divulgação do projeto.

O mapa das redes sociais

O mapa das redes sociais

As grandes marcas e o mundo 2.0

Este blog traz alguns exemplos de como grandes marcas estão se movendo no mundo 2.0 e aproveitando o seu tamanho para potencializar os efeitos. O gráfico abaixo mostra um De – Para e aqui neste link é possível explorar os exemplos. Trata-se da concretização daquela máxima de que se você for fazer depois, faça bem-feito. Com o tanto de experiências que já existem e pisadas na bola de muitas empresas, fazer depois já não é tanto um problema nas redes sociais. O problema é não fazer…

O "De-Para" das grandes empresas nas redes sociais

TED Talk da semana – Sheena Yvengar, sobre a Arte de Escolher (aqui em português)

1 comentário

Arquivado em Comunicação, Interdependência, Mundo 2.0, Nova Sociedade, Sustentabilidade

Por que o Cala Boca Galvão deu certo

Na primeira Copa do Mundo das redes sociais, a criatividade brasileira ganhou um troféu. E o potencial de disseminação de ideias neste mundo de hipervelocidade de informação ficou muito evidente, mais uma vez. O case do CALA BOCA GALVÃO ganhou os trending topics do Twitter e até atenção da mídia internacional, no NYTimes e no El País, para ficar em dois exemplos.

A brincadeira de juntar um tema que está com toda a atenção da mídia, o ambientalismo, como ‘cavalo de tróia’ para levar adiante a brincadeira de tentar calar o mais notável dos comentaristas brasileiros, ganhou o mundo.

A ideia foi disseminar a campanha de que para cada tweet enviado, 10 centavos de dólar seriam doados para o Instituto Cala Boca Galvão, que protege os raros Galvão Birds. Segundo a campanha, são 300 000 pássaros exterminados ao ano para que suas penas sejam usadas no Carnaval. Teve até filme no YouTube

Brasil (bola da vez), Carnaval (a maior festa do imaginário no planeta) e ambientalismo (preocupação planetária) foram as receitas para a brincadeira ganhar tanta força.

E como o evento ficou nos trending topics do Twitter, teve muita gente curiosa e outras tentando explicar que o Cala Boca Galvão não se refere a salvar pássaros. Como a Advertising Age

Também teve a história que o CALA BOCA GALVAO seria uma canção da Lady Gaga, mas essa não colou muito e não é tão elaborada assim.

Vale explorar ao menos dois aprendizados desta incrível brincadeira:

1. A reação, elegante, do Galvão Bueno, uma “máquina bombástica de clichês”, segundo o NYtimes (clique aqui). Galvão evocou Ayrton Senna (um mito) para mostrar que é maior do que isso. Disse que o Senna, seu amigo, já o chamava ele de papagaio há muito tempo e agora fizeram este link com o papagaio. Galvão se auto-assumiu um tagarela. Aqui, um trecho de sua fala. É claro que a campanha tem o seu motivo de ser. O Galvão é muito chato em algumas transmissões e me deixa particularmente irritado em transmissões de jogos entre Grêmio e um time paulista (e acho que isso vale para qualquer torcedor de time de fora de São Paulo) com a imparcialidade com que narra. Ele, que é esperto, deve tirar algum aprendizado desta história. Mas não quis ir contra e isso é o que vale no mundo das redes sociais. Simplificando as coisas, é mais ou menos como crianças na escola. Aquele que mais se irrita é quem mais sofre. E a própria Globo fez um jogo brincando com as principais frases do Galvão. O jornal El País publicou. (Recentemente, uma grande empresa de produtos alimentícios reagiu muito mal ao protesto de fãs da página do Facebook em relação a um problema em um produto. Conseguiu ganhar a antipatia das pessoas e um problema que estava restrito ganhou uma dimensão muito maior. O jeito de as marcas (considerando o Galvão Bueno e a Globo como marcas) faz toda a diferença neste novo mundo das redes sociais. Tem que entender espírito do tempo…)

2. A brincadeira coletiva. Teve gente dizendo: por que o Brasil não se mobiliza para calar o Sarney ou para fazer outras coisas para um país melhor. Poderíamos ter várias explicações. Eu arrisco uma: o prazer. Ter o sentimento de fazer uma pegadinha coletiva funcionar no mundo inteiro não tem preço. A reação é imediata, divertida. O prazer é instantâneo. Falar para o Sarney sair é chato. Política é chato para a grande maioria das pessoas. Fazer a sua parte para um Brasil melhor é algo muito mais profundo. Enviar um tweet falando CALA BOCA GALVÃO é algo descompromissado, leve. Ou seja, não são coisas comparáveis.

Mas ficou uma dúvida: que fim levou a faixa que estava no início do jogo, com um recado para o Galvão?

Leia mais: O TED, as ideias e o incrível potencial multiplicador da internet

7 Comentários

Arquivado em Colaboração, Comunicação, Mundo 2.0, Nova Sociedade, Uncategorized

Cardápio: redes sociais, sustentabilidade e comunicação

…e mais um almoço inspirador no dia de hoje. O grande amigo recente Pepe, surfista de alma e intelectual (atenção, não são raros, mas também não são comuns!), levou seu sócio Ricardo e quis me apresentar um ‘jornalista especializado em redes sociais’, o Manoel, que eu já conhecia. Foi um grande papo.

Primeiro, um pouco de frustração. Levei para o Pepe uma edição do Let My People Go Surfing, com a história de Yvon Chouinard, fundador da Patagonia, crente que ele gostaria. Ao vê-lo, Pepe mandou essa: “Ah, pouca gente consegue fazer o que ele está falando…”. Verdade, mas argumentei que Chouinard tem o grande mérito de provar que é possível, sim, criar um modelo diferente de negócios, onde o trabalho não impera sobre o resto, como, por exemplo, surfar em um dia útil de altas ondas. Ora, se elas estão lá e o trabalho também pode ser feito em outro horário, porque não surfá-las?

A conversa derivou para imagem das empresas, postura em redes sociais, novas mídias. E de repente, me vi em meio a dois papos paralelos. Eu e Ricado falávamos da imagem de instituições financeiras, como se dá a má fama por conta dos juros, apesar de que eles não são causados exclusivamente por bancos, mas também pelo tal custo Brasil. Ao meu lado, Pepe explicava porque é bom surfar para Manoel. Caramba, que mistura adorável. Papo cabeça sobre economia e surfe. A variedade de assuntos e possibilidades é o que torna a vida tão bela. Fechar os olhos para isso é perder um pedaço incrível do mundo.

Em seguida, começamos a falar de redes sociais, de TED, da intersecção entre sustentabilidade e web 2.0 e porque isso é relevante para o mundo atual. E aqui, compartilho os links que eu faria somente com meus amigos Pepe, Manoel e Ricardo, mas que são bons demais para ficarem com pouca gente.

O tema redes sociais e TED surgiu e eu logo fiz a conexão: Augusto De Franco. Se vocês gostam do tema, precisam conhecer a palestra dele no TEDxSP. Como as referências de “formação e lógica de redes” estavam todas sendo de fora, não poderia deixar de falar do grande Augusto. (E aqui vai um o resumo que fiz do TEDxSP 

Daí, a conversa foi para o tema sustentabilidade. Manoel dizia que essa era “a onda”. Aí, mencionei o Guia de Comunicação & Sustentablidade, do CEBDS (Centro Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável), que recém foi lançado.

E não pude falar da grande referência: o Greenwashing Guide, da Futerra.

Links compartilhadas, uma reflexão. O ponto é: cada vez mais sustentabilidade está conectada com mídias socias, pois há uma intersecção entre as duas questões que abrange importantes temas como: transparência, autenticidade e credibilidade. Na Web 2.0, as conversas são de via dupla e o consumidor interage sem pedir licença. Isso é transparência. Isso leva a um modelo de relações mais sustentável. Este é o novo mundo. E este foi o cardápio de mais um almoço inspirador….

2 Comentários

Arquivado em Comunicação, Inspiração, Interdependência, Mundo 2.0, Nova Sociedade, Surfe, Sustentabilidade